Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Adolescente e namoro

51.jpg

Tenho três filhos dois homens um de 11 anos outro de 4 anos e uma filha de 14 anos.

Minha preocupação hoje é que ela só tem 14 anos e já está namorando e estou preocupada porque ela já age como se fosse adulta. Quer passar o dia na casa do namorado. Ele tem 15 anos, é jovem também, são dois menores e eu já expliquei as coisas: como é se não der certo, o que acontece se fizerem coisas que não devem, mas ela não entende. Me aconselha, como eu faço agora?

Cara mãe,

 

Converse com ela. Falem sobre sexo. Falar sobre sexo permite que ela tenha informação sobre os riscos físicos e emocionais e concede-lhe uma base sobre como deve começar a explorar a sua sexualidade. Oriente em como evitar uma gravidez precoce, doenças venéreas, ensine-a a usar um preservativo o que lhe dá a oportunidade de pensar em todos os riscos que existem e na importância de fazer as coisas de forma consciente. Explique que “não” é uma palavra poderosa, que explorar a própria sexualidade é algo natural, todavia isso não obriga ninguém a fazer algo contra a sua vontade. Explique que ela não é obrigada a realizar as necessidades de outra pessoa por medo e que tem direito de decidir.

Aprender que o “não” é uma palavra poderosa e irá ensinar-lhe que também deve respeitar os desejos da outra pessoa e que qualquer relação sexual deve estar baseada em respeito mútuo.

 

Espero ter dado algumas ideias para abrir um diálogo com ela.

Tudo de bom

Mãe intrusiva

50.jpg

Olá Doutora.

Estou com o psicológico abalado pela separação dos meu pais, eles foram casados por 20 anos e em março deste ano meu pai saiu de casa pedindo a separação da minha mãe, desde então minha vida virou um caos ela só fala mal dele para mim e tudo que faço nunca esta bom, neste final de semana, foi aniversário do meu namorado e por mais que fiquemos juntos a ela, praticamente, todos o finais de semana, no aniversário dele decidimos almoçar com o pai e mãe dele e ela ficou chateada  zangada connosco por não a ter convidado, mas que culpa tenho eu? O aniversário era dele, não o meu!

Os dois dão-se bem, mas não entendo, ela me proíbe de ver meu pai, toda vez que falo que vou ver ele, ela dá um surto que me faz não ir, pois eu me sinto muito mal.

Não sei o que eu faço. Tudo tem que ser do jeito dela se eu deixar ela se mete até mesmo no meu namoro! Não foi nossa intenção deixa-la chateada mas tem momentos onde ele quer fazer as coisas com os pais dele também, pois ficamos muito com ela e mal ficamos com eles... Não sei o que fazer com essas coisas que me tiram o sono!

Se puder dar-me algum conselho de como resolver a situação ficarei muito grata!

Obrigada

Cara leitora,

Fale com a sua mãe para que ela entenda que tem direito de ver o pai, pois ele vai sempre ser o seu pai e a mãe sempre vai ser a sua mãe, independentemente do que acontece entre eles.

Uma separação abala toda a família e você também vai precisar ter paciência para aguentar não dando tanta importância aos comentários raivosos da sua mãe. Tente entender que ela está zangada com ele e por isso procura sempre dizer mal.

Quanto a ela ser muito intrusiva, faça a sua vida independente das exigências dela. Tem direito de ter vida própria.

Cuide de si , preocupe-se com a sua vida, estudos, namorado, etc.

Tudo de bom

Família sufocante

19.jpg

Dra. Mariagrazia boa noite,

Estou com grandes dificuldades na minha casa. Tenho 22 anos e namoro com um homem de 29. Minha família conhece-o e até demonstra gostar dele.

Estamos juntos há quase um ano. Ele trabalhava comigo e antes do meu relacionamento era o meu melhor amigo. Nós tínhamos contacto 6 vezes na semana (dificilmente nos encontrávamos de domingo porque queria ficar com a minha família) mas há 3 meses ele mudou de emprego. Frequênto Universidade com a minha mãe e moro com os meus pais e dois irmãos (18 e 20 anos). Com a mudança de rotina, só consigo ver meu namorado nos finais de semana (Ele mora sozinho).

Então minha mãe acha que é o suficiente que eu o veja somente um dia na semana ou que eu nunca durma fora (toda vez é uma briga), minha mãe sempre que possível fala algo para atingi-lo falando "mal", que ele não fica muito na minha casa e etc. mesmo ele indo.

Só que isso está acabando com o meu psicológico e causando conflitos no meu relacionamento.

Minha mãe engravidou muito nova e eu sempre fui amiga dela.

Meu último relacionamento terminou há 4 anos, sofri muito e acredito que seja por isso esse comportamento dela.

Queria que ela entendesse que sou uma mulher e que ela cortasse um pouco isso, mas não sei como fazer, sem machucá-la.

Cara Leitora,

A independência precisa ser conquistada por si. Não se deixe sufocar. Aprenda a fazer valer a sua vontade através de uma atitude mais assertiva com a sua mãe e com a sua família. Não a culpe a sua mãe pelo seu passado e presente, mas procure em si soluções para os conflitos.

As relações entre mães e filhas não nos podem se confundir com as das melhores amigas. É fundamental haver uma assimetria de poder, para permitir ao filho crescer independente com capacidade de socialização e autonomização.

Procure conquistar a sua autonomização o quanto antes!

Mãe tóxica

10.jpg

 

Olá.

Ultimamente ando muito angustiada. Tive uma infância muito difícil na questão emocional. Minha mãe sempre me xingou muito. Sempre me chamou de burra, caso não fizesse algo certo. Sempre se vitimizou, sempre acha que esta certa em tudo. E sempre me obrigou a cuidar da minha irmã mais nova como se eu fosse a mãe dela. E nossa diferença de idade é apenas 6 anos. Me sentia sufocada quando criança, eu lembro de sempre chorar e dizer que queria morrer. Sempre lembro que eu não era feliz na minha casa, não me sentia bem ali. Me sentia maltratada, sobrecarregada. E infeliz. O tempo passou e eu também lembro que minha mãe só se importava comigo e demonstrava algum afeto quando eu ficava doente.

Enfim. É muita coisa mas hoje eu tenho um sentimento de desgosto por ela. De cansaço só em falar com ela. Não queria falar com ela. Não faço questão de vê-la. Acho ela super dramática em tudo. Não a tenho como um porto. Eu sempre me virei sozinha. E sinto que hoje não posso contar com ela. Me sinto culpada de ter esses sentimentos por ela. Mas é o que eu sinto. E grande parte disso, acho que foi por todas as coisas más que ela já fez comigo. Estou muito cansada.

Não consigo conviver com ela numa boa. Mentalmente começo a ficar sufocada porque não tenho coragem de falar dos meus sentimentos pra ela.

 

Cara Leitora,

Não sei se vale a pena falar com ela. Mãe é mãe e nem sempre é capaz de corresponder à necessidade de amor e atenção de uma filha.

É muito triste ter que aceitar que a mãe, que deveria amar acima de tudo possa ser o algoz da própria filha.

Os pais tóxicos, classificação cada vez mais usada na psicologia, agridem física e psicologicamente, causando sequelas que se arrastam por toda a vida. Nenhum pai ou mãe está livre de falhar, perder a paciência ou a compostura. Mas agir com perversidade ultrapassa os limites aceitáveis de qualquer relacionamento. E a humilhação vinda daqueles a quem se ama é muito mais dolorosa.

É como se houvesse uma confirmação para a pessoa de que ela não é boa o suficiente para receber afeto. A postura dos pais tóxicos deixa graves sequelas, normalmente levadas para a vida adulta. As consequências são agressividade, dificuldade de aprendizado, rebeldia, timidez e um enorme sentimento de culpa.

Mães e pais perversos existem. A constatação coloca na berlinda o chamado amor incondicional. Esse sentimento, é uma construção moldada de acordo com os desejos de cada um. Não é intuitivo, como defende a crença popular. É uma questão cultural, imposta pela sociedade.

O amor incondicional só existe se os pais desenvolveram ao longo da vida recursos para lidar com as adversidades e as mudanças. Porque um filho muda tudo na vida dos pais.

A filha de uma mãe tóxica cresce num estado de alerta, o que causa uma ansiedade que se torna crónica.

Para quem chegou à vida adulta traumatizado pela relação tóxica, a psicoterapia é um caminho. Para muitas das vítimas, o tratamento inclui passar a ter uma relação superficial com os pais.

Parece que para conviver com a sua mãe seja preciso manter uma distância saudável e procurar compreender e talvez admitir que há realmente pessoas desprovidas de afeto e sua mãe é uma dessas pessoas.

Se não conseguir lidar com esses sentimentos e traumas procure uma psicoterapia.

Ser mãe

32.jpg

 Encontrei esse blog, um dia depois daqueles dias!!!

Tenho 35 anos, casada e tenho dois filhos!

Meus filhos tem a diferença de um ano e meio de um para o outro, são saudáveis, brincam e brigam.

A cada dia que passa tenho menos paciência e expludo com situações cada vez mais bobas e comuns para crianças da idade deles. Grito, ameaço, coloco de castigo, na maioria das vezes grito e falo como uma louca, pressionando, ameaçando, me vejo cada vez mais distante e frustrada por não ser o que eu queria, ou como deveria.

Me sinto sobrecarregada, e sei que eles não têm culpa nenhuma, mas não sei mais como agir, eu procurei por varias vezes o serviço público, conversei com a Clínica Geral para tentar me abrir e ver se conseguia um encaminhamento para alguma terapia ou algo só que sem sucesso algum, isso me faz cada vez mais me sentir uma droga como mãe, e ver que estou criando filhos infelizes!

 

Não sei mais o que fazer!

 

Cara mãe,

 

Apesar da relação mãe e filhos ser uma relação idealizada desde a antiguidade como sagrada, em geral, não é fácil ser mãe nem ser filho.

 

Ao assumirmos o papel de mãe, precisamos nos colocar no papel de doadoras, enquanto nossos filhos serão os recetores do nosso amor, da nossa orientação, da educação que lhes damos, das regras, da nossa compreensão, como um dia fomos de nossos pais, ou como deveríamos ter sido em nosso momento de vida.

 

A relação entre mãe e filho, atravessada por um amor que pode ser incondicional de ambas as partes, não é uma relação imune a conflitos. Como toda e qualquer outra relação, é passível de ser melhorada sempre e pode oferecer incríveis oportunidades de aprendizado e crescimento para ambas as partes.

 

Entendo que se sinta muito sobrecarregada com dois filhos pequenos com tão pouca diferença de idade  e que viva frustrações por talvez “não ter tempo para si própria” e ser sempre requisitada para tudo. Quando há filhos pequenos, é normal ter esse tipo de sentimento, mas não é normal que grite, ameace, coloque de castigo e fale como uma louca, pressionando e ameaçando.

 

É preciso paciência e controle. Pôr de castigo quando é necessário, falar com um tom de voz agradável, manter a calma e explicar as coisas segundo o racional e o razoável, para que as crianças entendam, cumpram e obedeçam. Também é preciso dar espaço para que as crianças se expressem, brinquem, briguem e para que possam ser crianças.

 

Se não consegue sozinha manter um controle normal, o melhor é procurar ajuda de uma psicóloga para junto com ela perceber o que está mal em si que a leva a agir de forma insensata e impulsiva. Não é bom que sinta “culpas”, por implicar em prejuízo com disciplina e educação, sua e de seus filhos. Pense nisso e procure mudar as suas atitudes. Afinal, "ser mãe é padecer num paraíso!"

 

Um abraço

 

 

 

Problemas com a mãe

5.jpg

 

Olá, mu nome é B., tenho 20 anos e sou estudante de direito. Tenho um problema com a minha mãe que existe desde que me entendo por gente: ela sempre tenta diminuir-me.

Desde criança eu não tenho um gosto próprio, tudo o que eu vestia, usava e assistia era escolhido pela minha mãe. Quando eu tentava escolher uma peça de roupa, por exemplo, minha mãe sempre dizia o quanto aquilo era horrível e eu acabava desistindo da compra. Tudo, absolutamente tudo, o que eu gostava tinha o dedo dela, até mesmo com relação aos desenhos animados. Aprendi que o certo era escolher o que ela queria, minha opinião era simplesmente terrível, vergonhosa.

 

Por conta disso, eu me tornei uma menina tímida e isso só aprofundou as críticas. Agora, o passatempo preferido de minha mãe era dizer o quanto eu era esquisita, sempre dizia que eu parecia uma doente. Dizia que eu era burra e preguiçosa. Com 10 anos fiz um concurso para conseguir uma vaga no melhor colégio do Rio de Janeiro e ela disse mais de uma vez que eu não passaria. E quando passei ela não deu parabéns.

 

No entanto, as pessoas sabiam da minha insegurança e timidez e se aproveitavam. Sofri muito bullying no colégio e fui vítima de pessoas falsas, que só se aproximavam para ficar na minha aba nos trabalhos escolares ou pedir dinheiro. Eu era a esquisita, a estranha da sala como a minha mãe falava. Tentava de tudo para parecer normal, até mesmo nos meus gestos eu me policiava. Vivia sendo xingada por pessoas que eu chamava de amigas, e quando alguém era grosseiro comigo eu abaixava a cabeça e pensava o quanto eu era estúpida e que eu devia ficar calada. Em casa, a situação continuava a mesma: se eu colocasse uma música para tocar, minha mãe logo aparecia dizendo o quanto a música era horrível e eu desligava o som, me sentindo uma idiota.

 

Com 15 anos, eu já me havia cansado disso. Comecei a comprar coisas escondidas da minha mãe. Ia de ônibus para a escola então às vezes eu parava no centro comercial e comprava um pequeno presente para mim (escondido da minha mãe, lógico, pois é algo que ela iria detestar). Comecei a gozar da minha independência e me sentir melhor quando estava sozinha. No entanto, ainda assistia filmes à escondida, escutava música escondida... Tudo como se eu estivesse cometendo um crime.

 

Minha mãe continuava a mesma. A era do vestibular chegou. Eu saí de casa seis horas da manhã e voltava às 23h. Dormia três horas por noite porque os estudos não deixavam eu ter uma vida saudável. Em meio a isso, lembro da minha mãe dizer que estava torcendo para que eu não passasse. Isso só me deu mais força para continuar e passei. Só não contava com a hipocrisia da minha mãe, que esfregava na cara de todo mundo que a sua filha conseguiu uma vaga numa faculdade pública.

 

O melhor de tudo é que quando eu saí do ensino médio eu deixei para trás todo o bullying que sofria, passei a interagir com mais gente e creio que finalmente me sinto à vontade para expressar minha vontade. Mas a minha mãe não muda. Hoje sou a mal educada da casa, aquela que dá patadas quando ela fala uma besteira. Vivemos brigando por conta disso e, por isso, sinto que perdi a confiança nela.

 

Não conto mais nada sobre o que passa na minha vida à ela, mesmo morando na mesma casa que ela. Não gosto de ver filmes ou sair com ela, não comento sobre nada que não seja um gosto em comum. Eu não queria que fosse assim, só que ela parece com esse tipo de atitude. Hoje mesmo eu comentei com o meu pai que quando eu tirar a carteira da OAB eu o representaria nos processos que ele passasse, aí ela se meteu no meio da conversa e disse: "ah, mas o problema é que você nunca abre a boca, não vai ser uma boa advogada". Eu, furiosa, perguntei porque ela dizia esse tipo de coisa e ela, sem graça, remendou: "ah você é inteligente, mas não abre a boca..." Mandei ela controlar a língua e repensar as suas atitudes e ela se retirou constrangida para o quarto. Ela não muda não importa o quanto eu fale.

O que eu posso fazer?

 

Cara B.,

Precisa se libertar dessa sua mãe muito opressiva e adquirir a sua independência.

 

Aqui tem 3 MEDIDAS DE EMERGÊNCIA

Sugeridas pela terapeuta familiar Karyl McBride, no livro ‘Will I ever be good enough’.

 

1 Relação ‘light’

Muitas filhas tentam a terapia, mas muitas mães difíceis são narcisistas: não são capazes de comunicar intimamente com os outros e também não conseguem conectar-se com a sua vida interior, e portanto muitas vezes não colaboram com a terapia. Remédio: admitir que nunca serão próximas e ter uma relação mais leve, mais distante, sem tentar uma intimidade que ela nunca dará.

 

2 Separação temporária

Tire uma ‘folga’ da sua mãe para se recompor. Diga-lhe que está a tratar de assuntos urgentes e que lhe telefona se houver uma emergência.

 

3 Separação total

Se tentou tudo e mesmo assim aquela relação compromete inequivocamente o seu

bem-estar, esta pode ser a única opção. Mas é raro haver quem a tome, até porque é uma opção socialmente muito malvista e condenada.

 

Um abraço

Mãe intolerante

IMG_2540.JPG

 O meu nome é M. tenho 27 anos e nunca sai de casa pra me divertir ou fazer coisas normal por que minha mãe sempre me impediu, nunca namorei porque ela nunca deixou eu sair... Quando eu trabalhava meu dinheiro ela controlava e eu não podia gastar, tinha que gastar tudo pra dentro de casa... Tô quase cometendo suicídio não aguento mais isso...

Não posso conhecer pessoas ou falar minha opinião q ela quer me bater   está doendo muito essa situação não aguento mais.... Faz 3 anos q amo um rapaz q mora em outra cidade, ele queria vir conhecer-me e ela disse q ele não entra na casa dela e q eu nunca vou sair daqui pra outra cidade... Que eu não sei o q é amor ainda.... Quando eu falo o q quero da minha vida e digo q quero ter uma família ela começa a passar mal e minhas irmãs que já são casadas me culpam pois minha mãe faz tortura psicológica, da a desculpa q tem problema de coração e q não pode passar raiva...

Eu me sinto mal pois quando arrumo um serviço num horário q ela não quer ela me faz desistir... Não me dá dinheiro pra por no bilhete e nem me ajuda ela me atrapalha a arrumar serviço e se ela não gostar da pessoa ela me impede de fazer amizade.... Me ajuda por favor não sei mais o q fazer pois a pessoa q amo já está quase desistindo de mim de tantas desculpas que eu invento pra não passar vergonha por causa da minha mãe... Eu levei 5 anos pra ela permitir que eu colocasse um piercing no nariz....

Pra mim poder sair pra lugar longe tenho q levar meu padrasto senão ela não deixa... E por eu não ter lugar pra morar tenho medo dela não deixar eu entrar mais pois joga na minha cara q enquanto eu estiver na casa dela ela manda em mim por favor me ajude não quero mais viver não aguento mais tanto sofrimento.... Eu não bebo não fumo.. Não sou de gostar de festas só cuido da casa e faço comida porque ela mesmo não faz.... Sempre fui muito obediente e quieta talvez eu tenha uma parcela de culpa por ser tão frouxa mais não aguento mais quero morrer isso tá me destruindo porque faz 27 anos q não sei o q é felicidade..   Eu me tranco no meu quarto e ela fala q é frescura minha minhas irmãs só conseguiram casar porque fugiram mais eu não sou assim sempre quis o apoio da minha mãe mais ela não colabora, acha q sou propriedade dela... Nem meu pai pode se aproximar porque ela diz q sou propriedade dela e q ela manda em mim até quando eu tiver velha... Me ajude por favor, me aconselha, não aguento mais isso : (  e ela disse q só vou sair de casa quando eu casar mais não é minha vontade isso é ridículo porque é vontade dela e não minha.. Tenho 27 nãos e quero curtir a vida, namorar... Viver .

 

Cara M.,

É preciso estar ciente de que a independência não se dá, conquista-se. Independência não quer dizer, em termos de educação, “deixar fazer”. A sua liberdade não é dada pelos seus pais, ela é conquistada à medida que consegue ganhar maturidade (esforço, responsabilidade, vontade, etc.). Pensar em suicídio não resolve. Prove à sua mãe que é suficientemente madura para poder fazer o que quer.

 

O problema não é a sua mãe. A solução é enfrentar o conflito, o problema. Porque é que não tenta resolvê-lo falando sinceramente com a sua mãe? Afinal de contas, penso que a sua mãe não esteja a querer restringir a sua independência, mas ajudá-la. Talvez a ajuda não seja a ideal, mas isso é outra história. Porque é que não tentam encontrar uma solução conjunta? Fale com ela e faça valer as suas escolhas.

Mãe e maltrato

 

IMG_2537.JPG

Minha mãe e eu não nos damos bem. Quando criança, eu fui muito mal tratado por ser de pele morena. Ela adorava meu outro meio-irmão já falecido e que era branco. Hoje vivo com ela como filho único e venho enfrentando uma barra tremenda em meio a discussões, xingamentos, cuspidas na "cara" que dou nela por não aguentar mais tantas coisas negativas que a vida com ela só me trouxe ao longo desses 50 anos.

 

Deixei de trabalhar para ficar com ela. Ela fica o tempo todo me provocando com assuntos que já foram resolvidos há dias e ela repete o tempo todo, sem parar.

A última vez que discutimos eu no momento estava tomando um copinho de iogurte e acabei jogando na cara dela impulsivamente. Tenho 50 anos e ela tem 73 e é portadora do Mal de Parkinson.

 

Nunca cheguei ao ponto de agredi-la, muito embora ela tenha feito isso comigo quando criança me espancando e colocando-me trancado no quarto de casa somente com água e pão.

Mesmo que eu não a tenha agredido, eu a torturo psicologicamente, reconheço isso!

 

É uma situação difícil para mim e estou nessa já faz anos e anos. Procuro melhorar, fazer minha parte, mas nada mudo. Não tenho prazer pra nada aqui em casa. Preciso de ajuda!

 

Sim, precisa de ajuda e a sua mãe também. Se se sente incapaz de cuidar decentemente dela, seria melhor que vivessem separados. Ou você vai viver em outra casa ou a sua mãe vai para um lar onde possa ter um pouco de paz, sem ser maltratada pelo próprio filho.

 

O fato de se sentir mal-amado pela cor de sua pele, não lhe dá o direito de humilhar e maltratar a sua mãe. Mesmo que ela o tenha agredido na infância e deixando de castigo, não lhe dá o direito de maltratar, cuspir, etc.

Porque não retoma o seu trabalho? Arranje um emprego qualquer e ocupe-se durante o dia e encontre uma pessoa para dar apoio à sua mãe que a trate com decência e com respeito e talvez até possa dar-lhe algum carinho e amor, que, certamente, ela também precisa.

 

É preciso respeitar a individualidade do idoso, não infantilizar, não o tratar como doente ou incapaz, oferecer cuidados específicos para a sua idade, preservar a sua independência e autonomia, ajudar a desenvolver aptidões, ter paciência com a lentificação do ritmo na realização das tarefas, trabalhar as suas perdas e os seus ganhos, promover a estimulação bio-psico-social.

 

Devemos procurar sempre proporcionar ao idoso uma velhice serena com a possibilidade de desenvolver iniciativas e actividades que sejam compatíveis com as suas condições física e psíquica.

Tome logo uma resolução nesse sentido, ninguém merece passar por esse sofrimento.

Se se sentir incapaz de reagir sozinho , procure ajuda especializada.

 

Mãe paranóica

IMG_2618.JPG

 

Ola, boa tarde. 

 

Há alguns anos atrás a minha Mãe perdeu o emprego, e anos depois teve câncer. Foi um momento bem delicado para a nossa família, pois não sabíamos como lidar com a situação.Com o passar do tempo, graças a Deus ela teve uma melhora 100%, contra o combate de câncer. Estávamos muito felizes com a melhora dela.

 

Porém em 2013 (foi quando começamos a perceber), minha Mãe começou a ter comportamentos estranhos. Dizia que a comida estava estragada, com gosto de detergente, lixo e etc. E com o passar dos anos as coisas foram piorando. Hoje em dia ela não come NADA, dentro de casa, apenas toma água (pelo menos quando não estamos em casa),e também está com mania de dizer que tudo que compramos está estragado, e com isso tem colocado alimentos fora. Tenho percebido que roupas minhas estão desaparecendo, camisa, bermuda, calça, boné... ela também tem colocado fora, as minhas coisas e do meu Pai.

Ela foi internada no ano de 2013, ficou alguns meses na clinica, tomando remédio, e melhorou um pouco. Mas com o passar dos tempos parou de tomar remédios, e começou tudo novamente. Infelizmente não sabemos mais o que fazer. Pensamos na internação novamente, mas carregamos esse peso nas costas, pois ela sempre diz que estragamos a vida dela, por termos feito isso. Infelizmente eu não sei quais providencias tomar, ano que vem estaria me mudando , mas fico com o coração apertado em deixar meus Pais em casa, por causas das situações. 
 

Caro G.,

A sua mãe precisa de tratamento psiquiátrico e psicológico urgente. Ela apresenta um distúrbio de personalidade que precisa ser averiguado e tratado.

 

Os médicos usam uma bateria de testes para determinar a causa do distúrbio. São exames de sangue, avaliação do estado mental, testes neuropsicológicos e tomografias cerebrais. Em 90% dos casos, atualmente, os médicos podem diagnosticar com precisão o tipo de distúrbio.

 

Fale com ela. Ela não pode continuar assim pois o prognóstico é de piora. Talvez não seja necessário internamento, mas certamente precisará tomar  medicação regular e ser seguida por um psicólogo.

Criar filho sozinha

dicavalcanti5.jpg

 

Boa noite, estava procurando respostas para algumas situações e então resolvi escrever. Em fevereiro desse ano resolvi sair da casa com o meu filho de 2 anos onde morávamos com o pai dele , não era casada no papel , mais vivemos juntos por 3 anos.

 

Foi um período bem complicado , ele é usuário de cocaína e o nascimento do filho não foi o suficiente para ele mudar. Então resolvi ir embora , porém por questões financeiras e por medo talvez dr estar sozinha acabo dependendo muito dele e de sua família , moro sozinha , todas as dificuldades e responsabilidade são apenas minha , recentemente passei mal , senti que iria morrer , fui para o hospital com tremores , fraqueza , estava formigando e cansada , desde então sinto medo , medo de ficar sozinha , de não ser uma boa mãe , medo de morrer e deixar meu filho sozinho. Antes eu não estava sempre cansada , sempre sem paciência , gostava de cuidar da casa , de me cuidar. E hoje tudo é tao estranho , só queria voltar a me sentir bem , o que eu posso fazer , não sei por onde começar e tenho muito medo de que tudo interfira no meu filho .

 

Cara Leitora,

Após a separação do pai de seu filho, sente a responsabilidade de criar o filho sozinha , o que é uma fonte de stress e preocupações que se refletem na sua saúde física e mental.

 

Ser mãe e pai pode ser muito bom em alguns momentos, mas em muitas ocasiões é simplesmente exaustivo. Não é preciso negociar, nem pedir desculpas, nem estar de acordo com nenhuma outra pessoa a não ser consigo mesma. As decisões são suas. Não é fácil, mas ao mesmo tempo essa situação proporciona-lhe uma autonomia única. A “mãe solteira” não tem que conversar, nem discutir sobre o que considera melhor para o seu filho: religião, escola, desporto, etc.

 

Não é fácil lidar com todo o processo. Entretanto, algumas atitudes são necessárias para conseguir trilhar o caminho de sucesso, ao lado do seu filho.

 

Algumas dicas para ajudar a lidar com a situação:

◦Busque apoio e encorajamento com seus amigos e familiares. Não fique sozinha!

◦Aproveite ao máximo o sentimento de ser mãe. Ele é um dom e ninguém pode tirar isso de você.

◦Valorize-se também como mulher e amiga, além de mãe.

◦Não transfira suas frustrações e reações negativas para a criança.

◦Crie um vínculo cada vez mais próximo com seu filho para transmitir proteção, amor, carinho e dedicação.

Entretanto fale com o pai do seu filho e motive-o a procurar um tratamento para deixar de ser usuário de cocaina pois isso vai acabar por destruir-lhe  vida e certamente vai ter complicações na sua saúde.

 

Um abraço