Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Consultório de Psicologia

Espaço de transformação com a finalidade de orientar, ajudar, esclarecer dúvidas e inquietações. Encontre equilíbrio, use sua criatividade e deixe fluir sua energia. Mariagrazia Marini Luwisch

Duas pessoas em mim

23.jpgQuando eu era menor fiz algo, que pra idade que eu tinha era algo consideravelmente grave, repetidas vezes e em um dia isso me afetou muito psicologicamente. Tive crises de choro e tremedeiras e logo após revelei o que havia feito a minha mãe.

Após esse dia, me senti tentada a ser uma pessoa diferente do que era e há pouco tempo, 7 anos depois do acontecido, necessidades estranhas e diferentes vem-me consumindo.

Fui muito machucada pelas pessoas durante muito tempo. Ambos os meus pais tiveram um grave quadro de depressão (juntos, ao mesmo tempo) e quem era a responsável por “manter a ordem” em casa era eu. Isso de certa forma me sufocou e me obrigou a guardar emoções, sendo elas indesejáveis ou não, para me manter firme e ajudar eles.

Hoje em mim abriga uma raiva enorme, que com muito esforço consigo controlar, não consigo me relacionar com pessoas, podendo ser qualquer tipo de relacionamento, por sentir repulsa por elas, raiva e vontade de causar dor nelas. Mas é como se essa vontade não fosse minha mas ao mesmo tempo fosse. Meu tempo é mantido em livros, onde faço deles minha realidade e é como se a vida real fosse uma mentira pra mim.

Um dia desses me vesti com roupas “ diferentes “ e de certa forma ousadas, olhei- me no espelho e me familiarizei com aquela pessoa como se ela fosse eu e ao mesmo tempo não fosse.

Tentei resumir um pouco o que se passa em minha cabeça, temo não ter conseguido.

Estou tão confusa que sinto a necessidade de encontrar uma direção.

O que devo fazer?

Os sentimentos e a raiva são sufocantes

Cara Leitora,

Pelo que refere coexistem vários problemas em si: de identidade, de apatia social, de agressividade em relação a pessoas e a si, culpas do passado, enfim tudo para ser tratado em psicoterapia.

 

O melhor é procurar um tratamento regular para colocar ordem na sua cabeça e aliviar essa confusão de papéis e traumas do passado. Necessita manter o foco no que é preciso dar oportunidade de corrigir e compreender a sua raiva, para poder encontrar um caminho de mudança para retomar a sua vida.

O seu e-mail transmite muito sofrimento. Necessita uma ajuda urgente, com uma pessoa capaz para recuperar as forças para ter uma vida criativa e não se deixar levar por pensamentos irreais.

Os traumas do passado podem ser elaborados e superados, mas é preciso motivação para concretizar uma mudança.

Um abraço

Razão para lutar

 

20.jpg

 

Tenho 18 anos, depois de dois incidentes traumáticos na minha vida perdi a razão de continuar a lutar pelos meus sonhos e pela minha vida, não tenho vontade de fazer coisas que antes realizava com alegria, como ler, estudar e sair de casa. Hoje é preciso um grande reforço pra fazer o mínimo, como ir ao curso técnico, perdi a vontade de me arrumar, de sair de casa, tenho dificuldades de socializar e as vezes penso que seria melhor se eu não tivesse nascido, que tudo dá errado e que as pessoas não gostam de mim e só me suportam por dó, só não acabei com a minha vida porque não consigo e imagino o desgosto que daria pra minha família se fizesse isso.

Cara Leitora,

Está a passar por uma fase de depressão, provavelmente relacionada aos incidentes traumáticos que sofreu no passado que não elaborou e que a levam a ver tudo muito negativo e sem esperança.

Para que possa superar é aconselhável ter um acompanhamento psicológico que a ajude a refletir sobre tudo o que aconteceu e a modificar a sua atitude presente.

Procure ajuda. Confie em si e no seu poder de encontrar uma solução e um tratamento confiável para o seu caso. Ao seu lado há pessoas que a amam muito.

Comece por apreciar as pequenas coisas da vida e anime-se para encontrar novas soluções para os seus problemas.

Voltar à vida

Marc Chagall

Boa dia Dr. Mariagrazia,

Sou estudante em Engenharia, digo sou estudante mas nem ao menos sei se ainda posso me considerar como tal pois a cerca de um ano e meio  não consigo fazer nada de minha vida.
Lembro-me de que desde bem criança me levantava sozinho, me arrumava e me punha a caminho da escola sem sequer acordar minha mãe. Foram bons tempos. Hoje não consigo me levantar da cama no horário (na verdade passo praticamente todas as noites em claro e durmo depois cerca de 11 a 12h até que não aguente mais ficar na cama) e não consigo fazer nada que seja minimamente desagradável. Por exemplo, se tiver que viajar e para isso precisar acessar um site que contém a informação dos horários isso será para mim motivo até de não querer mais viajar (ou deixarei para fazê-lo no último prazo possível).

Alguém poderia dizer que estou em depressão. Eu diria que não. Simplesmente não consigo fazer nada que me desagrade minimamente. Se há uma festa para ir, eu prontamente iria. Se tenho que viajar para encontrar minha namorada, eu vou feliz e com boa vontade. Se estou há um jogo que gosto, não tenho problemas em começar.
Vejo muitos de meus colegas se formando e conseguindo bons empregos enquanto deixo todas as oportunidades que me são oferecidas passarem por obra dessa atitude que não sei como definir.

A questão que fica é: se estou fazendo de minha própria vontade, por que me sinto tão incomodado?
E outra questão ainda mais fundamental: como posso obter ajuda? Acaso existe alguém que tenha enfrentado similar distúrbio?

Por favor responda esse e-mail desesperado. Estará ajudando alguém a voltar a vida!
E.